29.10.10

Una lectora desde Campinas




Leda (o Lê, tanto de Leda como de Lectora) nos mandó este poema con foto desde Campinas (São Paulo, Brasil).
texto y foto: Leda Santos
A leitora ad infinitum
Quando não tem um livro em suas mãos, lê o que têm no céu: sejam nuvens, pássaros ou avião.

Olha para as pedras e logo se põe a ler suas formas, cores, texturas, calor, dimensão.
Lê as linhas das mãos,
suspiros,
ritmo da respiração.
Tudo o que lhe chama a atenção,
lê com paixão
com afeição
dedicação:
o correr das horas,
o curso das águas,
o movimento da areia,
do vento, a direcção.
A melodia do corpo,
o crepitar do fogo,
a intensidade do trovão.
Sobre todas as coisas a leitora lê uma grande porção 
e, continua lendo para ampliar a visão.
E sente
as leis e as luas. 
Depois faz sua composição
e começa a ler de novo.
Ad infinitum.